Busca Área Cliente Área Cliente
 
Home / Corretora de Valores / Educacional / Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes

Diminuir fonte Fonte normal Aumentar fonte

O que é bolsa de valores?

BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores de São Paulo e da Bolsa de Mercadorias & Futuros. Como principal instituição brasileira de intermediação para operações do mercado de capitais, a companhia desenvolve, implanta e provê sistemas para a negociação de ações, derivativos de ações, títulos de renda fixa, títulos públicos federais, derivativos financeiros, moedas à vista e commodities agropecuárias.

Tendo em vista sua área de atuação, a BM&FBOVESPA está sujeita à regulação e à supervisão da Comissão de Valores Mobiliários e do Banco Central do Brasil

Fonte: BM&F Bovespa

Como funciona a bolsa de valores?

Por meio de suas plataformas de negociação, realiza o registro, a compensação e a liquidação de ativos e valores mobiliários transacionados e a listagem de ações e de outros ativos, bem como divulga informação de suporte ao mercado. A companhia também atua como depositária central dos ativos negociados em seus ambientes, além de licenciar softwares e índices.

A Bolsa brasileira desempenha também atividades de gerenciamento de riscos das operações realizadas por meio de seus sistemas. Para tanto, possui uma robusta estrutura de clearings de ações, derivativos, câmbio e ativos, que atua de forma integrada, com o Banco BM&F, de maneira a assegurar o funcionamento eficiente de seus mercados e a consolidação adequada das operações.

Única bolsa de valores, mercadorias e futuros em operação no Brasil, a BM&FBOVESPA ainda exerce o papel de fomentar o mercado de capitais brasileiro. Para tanto, desenvolve inúmeros programas de educação e popularização de seus produtos e serviços. Também gerencia investimentos sociais, com foco no desenvolvimento de comunidades que se relacionam com seu universo.

Fonte: BM&F Bovespa

Qual o valor mínimo exigido para se investir na bolsa de valores?

Não existe um valor mínimo exigido para investir em ações de empresas. Isso varia em função do preço das ações que se deseja comprar. Há ainda opções de investimentos coletivos, através de clubes e fundos de investimento que viabilizam investimentos em ações de empresas com valores ainda menores.

Como funciona o mercado de ações?

Mercado de ações é o nome que é dado aos agentes negociadores de títulos de renda variável, denominados ações. Os negócios podem ser instrumentalizados em Bolsas de Valores ou em Mercado de Balcão. Assim, a Bolsa de Valores é um dos agentes do Mercado de ações, que não é restrito a ela.

O que é custódia?

É o serviço de guarda e o de exercício de títulos, os quais são prestados aos investidores. Ou seja, os títulos negociados pela Bovespa são custodiados pela CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia).

Ciclo de liquidação?

Quando o investidor executa uma ordem de compra/venda de ações, ocorre a liquidação física e financeira, processo pelo qual se dá a transferência da propriedade dos títulos e o pagamento/recebimento do montante financeiro envolvido, dentro do calendário específico estabelecido pela Bolsa para cada mercado.                 

Liquidação Física é o processo pelo qual se dá a transferência da propriedade das ações.

Liquidação Financeira é o pagamento/recebimento do montante financeiro envolvido.

  • No mercado à vista, vigora o seguinte fluxo de liquidação:

D+0 - dia da operação;

D+1 - prazo para os intermediários financeiros (Corretoras) informarem suas operações executadas junto à Bolsa;

D+2 - entrega e bloqueio dos títulos para liquidação física da operação, caso ainda não estejam na custódia da CBLC;

D+3 - liquidação física e financeira da operação.

  • Riscos relacionados ao ciclo de liquidação:

A Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia - CBLC é a responsável pela compensação e liquidação de operações realizadas no mercado a vista da BOVESPA.

No caso de uma operação de venda no mercado a vista, as ações objeto de negociação devem estar disponíveis na conta de custódia do vendedor, para entrega ao comprador, até o horário limite estabelecido pela CBLC.

A não entrega total ou parcial das ações objeto da negociação em D+3 ou a ausência de apresentação de documentos necessários à liquidação, caracterizam a falta da entrega de ativos e resultam em multa ao vendedor das ações.

Caso os ativos não sejam entregues, a CBLC aciona, no mesmo dia, o mecanismo de tratamento de falta de entrega - o Processo de Recompra de Ativos - além de cobrar nova multa sobre o valor dos ativos não regularizados

A ordem de recompra emitida em D+4 é o instrumento que autoriza a contraparte a executar, a preço de mercado, uma nova operação de compra dos ativos adquiridos em D+0 e não recebidos no prazo regulamentar por falta na entrega. Essa ordem de recompra deve ser executada até D+6 e ter confirmada sua execução, perante a CBLC, até D+7. O vendedor em falta com a entrega dos ativos arcará com a diferença de preço da recompra, quando ela ocorrer.

Caso a recompra não seja executada até o prazo estipulado por qualquer que seja o motivo, a CBLC, em D+8, reverterá a operação, retornando os valores financeiros ao comprador da operação.

Assim, o cliente deve estar ciente de que uma eventual venda realizada sem ter as ações em sua conta, ou sob a expectativa de seu recebimento por conta de uma compra do mesmo ativo realizada em data anterior, poderá resultar em sua inadimplência, com o conseqüente ônus, conforme demonstrado, caso essa compra sofra problemas em sua liquidação.

  • No mercado de opção, vigora o seguinte fluxo de liquidação:

D+0 - dia da operação;

D+1 - liquidação física e financeira da operação.

  • No mercado de BM&F, vigora o seguinte fluxo de liquidação:

D+0 - dia da operação;

D+1 – liquidação financeira da operação. (Margem /  Ajuste)

O que é leilão?

Denomina-se apregoação por leilão aquela realizada com destaque das demais, mencionando-se, obrigatoriamente, o Ativo, o lote e o preço. As apregoações por leilão poderão ser realizadas sob duas formas: por leilão comum ou por leilão especial.

Resumo do enquadramento de operações para procedimentos especiais:

 Quantidade - em relação à média negociada nos últimos 30 pregões:

  • Com lote entre 5 e 10 vezes a média negociada  - Leilão com prazo de 5 minutos
  • Com lote acima de 10 vezes a média negociada   - Leilão com prazo de 1 hora


Procedimento para enquadramento de quantidade média

Uma vez anunciado que um leilão atingiu um dos parâmetros de quantidade referenciados acima, a quantidade anunciada passará a ser a nova quantidade média válida para o dia, sendo que os negócios com quantidades inferiores ou iguais ao leilão anunciado, serão submetidos a um novo leilão com prazo reduzido para 5 (cinco) minutos. Para que uma nova operação, no mesmo dia, seja analisada neste procedimento, deve-se observar:

  • Os comitentes envolvidos nesta nova operação devem ser diferentes do leilão anterior, ou em caso de serem os mesmos, a operação não ultrapasse outro parâmetro definido na Instrução CVM 168;
  • Não será aplicado tal procedimento em operações que atinjam parâmetros de quantidade em relação ao capital social citado abaixo e para apregoações diretas.


Quantidade - em relação ao capital social das empresas:

 Com lote entre 0,5% e 0,99% das ações ordinárias - Leilão com prazo de 5 minutos

  • Com lote entre 1% e 2,99% das ações ordinárias -  Leilão com prazo de 1 hora
  • Com lote entre 3% e 6% das ações ordinárias -  Leilão com prazo de 24 horas
  • Com lote acima de 6% das ações ordinárias -  Leilão com prazo de 48 horas
  • Com lote entre 1% e 2,99% das ações preferenciais  - Leilão com prazo de 15 minutos
  • Com lote entre 3% e 4,99% das ações preferenciais - Leilão com prazo de 1 hora
  • Com lote entre 5% e 20% das ações preferenciais - Leilão com prazo de 24 horas
  • Com lote acima de 20% das ações preferenciais -  Leilão com prazo de 48 horas


Procedimento para enquadramento de quantidade média.

 Com oscilação positiva ou negativa de 3% a 9,99% sobre o último preço, para os papéis que fazem parte de carteira de índices da BOVESPA  -  Leilão com prazo de 5 minutos

  • Com oscilação positiva ou negativa a partir de 10% sobre o último preço, para os papéis que fazem parte de carteira de índices da BOVESPA  - Leilão com prazo de 15 minutos
  • Demais papéis com oscilação positiva ou negativa de 10% a 19,99% sobre o último preço -  Leilão com prazo de 5 minutos
  • Demais papéis com oscilação positiva ou negativa de 20% a 49,99% sobre o último preço  -  Leilão com prazo de 15 minutos
  • Demais papéis com oscilação positiva de 50% a 99,99% sobre o último preço  - Leilão com prazo de 30 minutos
  • Demais papéis com oscilação superior a 100% sobre o último preço  -  Leilão com prazo de 1 hora
  • Demais papéis com oscilação negativa superior a 50% sobre o último preço  -  Leilão com prazo de 1 hora
  • Exclusivamente para papéis que não fazem parte da carteira de índices da BOVESPA e que tiverem o preço de fechamento igual ou superior a R$ 100,00, o limite para oscilação de preço entre negócios, positiva ou negativa, passa a ser de 3% sobre o último preço.


Negociabilidade

Ação não negociada nos últimos 5 pregões:

  • Leilão com prazo de 15 minutos
  • Ação estreando na BOVESPA:
  • Leilão com prazo de 15 minutos

As operações de financiamento enquadradas nos parâmetros que exigem edital serão submetidas a leilão de 1 hora, exceto nos casos em que o volume financeiro da operação referente à posição financiadora não supere R$ 10.000.000,00, quando a operação será submetida a leilão de 30 minutos.

Durante um leilão, se o preço deste atingir o limite de 100% acima do preço inicial ou 50% abaixo desse preço, a apregoação será prorrogada por 15 minutos para divulgação ao mercado do novo preço, desde que essa interrupção ocorra dentro do horário de funcionamento do pregão. Essa interrupção só ocorrerá uma vez e não será aplicada para leilões com divulgação prévia de 24 ou 48 horas (Editais).

No caso em que uma operação deva ser submetida a leilão por mais de um critério (preço ou quantidade), deverá ser adotado aquele critério que exija maior prazo de divulgação. Independente dos critérios acima, o Diretor de Pregão poderá determinar que uma operação seja submetida a leilão, quando, a seu critério, caso o tamanho do lote a ser negociado exceda a quantidade considerada normal ou para assegurar a continuidade dos preços.

A relação das Instruções CVM mais utilizadas na negociação encontra-se atualizada nos endereços eletrônicos www.bovespa.com.br, em Mercado – Ações – Regulamentos e Normas – Instruções da CVM, e www.bovespanet.com.br, em Normas – Regras de Negociação – Instruções CVM.


Casos Especiais de Leilão  

  • Quando ocorrer a divulgação de fato relevante ou notícia sobre algum provento para um Ativo negociado, a BOVESPA poderá colocar a respectiva negociação do Ativo em leilão pelo prazo a ser determinado pelo Diretor de Pregão, a fim de preservar a boa continuidade dos preços;
  • Negócios fechados por encerramento de um leilão em que uma ou mais Sociedades Corretoras foram prejudicadas por problemas técnicos, devidamente comprovados por área especifica da BOVESPA;
  • Nos casos em que uma ou mais Sociedades Corretoras comunicarem problemas técnicos antes do encerramento de um leilão, o horário de encerramento será retirado e, após resolvido o problema, caso o horário de encerramento original tenha sido ultrapassado, será marcado novo horário com prazo de 5 minutos.

O que é CDI?

Certificado de Depósito Interbancário é um título de renda fixa que representa operações de crédito entre bancos. Um banco emite um CDI, vende este papel no mercado, e com isso consegue levantar dinheiro para suas necessidades.

A taxa do CDI tem divulgação diária em jornais, para operações de um dia ou por prazos maiores (30, 60 ou mais dias), regra geral como taxa ao ano. Ou seja, é a taxa média dos empréstimos feitos entre os bancos. Esses empréstimos são registrados por uma instituição chamada Cetip (Central de Custódia e Liquidação de Títulos Privados).

O que é BTC?

Banco de Títulos CBLC é um serviço onde os investidores disponibilizam títulos para empréstimos aos interessados, mediante aporte de garantias. O acesso é por meio de um sistema eletrônico, e o tomador paga uma taxa ao doador, acrescida do emolumento da CBLC.

O que são debêntures?

Debênture é um título de crédito representativo de empréstimo que uma companhia faz junto a terceiros e que assegura a seus detentores direito contra a emissora, nas condições constantes da escritura de emissão. Para emitir uma debênture uma empresa tem que ter uma escritura de emissão, onde estão descritos todos os direitos conferidos pelos títulos, suas garantias e demais cláusulas e condições da emissão e suas características.

As debêntures podem ser conversíveis em ações.

Termos de Uso Disclaimer